Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SAY HELLO TO MY BOOKS

SAY HELLO TO MY BOOKS

7 Mulheres Incríveis que já li

Hoje falo de sete nomes incontornáveis da História da Literatura. São escritoras famosas, com milhares de exemplares vendidos e lidos ao longo das décadas.

Mas o que é que as faz serem tão especiais?

Não quero falar das obras, apesar de serem o espelho do seu talento, quero antes falar delas mesmas, enquanto mulheres inspiradoras, corajosas e que abriram caminho para tantas outras. Mulheres que estiveram à frente do seu tempo, que souberam impôr-se num mundo liderado por homens, que conseguiram cativar leitores nos quatro cantos do planeta, ultrapassando barreiras e preconceitos sexistas, literários e sociais. Tudo por amor à escrita e à literatura. E isso é admirável. 

 

mulheres.jpg

 

 

Jane Austen (1775 - 1817)

Nasceu no século XIX, no seio de uma família com posses do Reino Unido, numa época em que as mulheres viviam para o dia em que finalmente casassem e onde o seu maior objectivo era cuidar do marido e dos filhos. Jane Austen não só nunca casou, como sonhavar ganhar o seu próprio dinheiro através das suas obras literárias. Muito diferente da maioria das mulheres da época que colocavam o seu futuro não mãos de um casamento vantajoso. Só isto já é incrível. Vejam bem as datas de que estamos a falar. Ainda assim, Jane Austen sabia ler a alma feminina e os segredos do coração com uma sensibilidade única e uma ironia irresístivel.

O retrato psicológico e social da pequena burguesia inglesa do início do século XIX é relatado nos seus romances com mestria, expondo reflexões e críticas sobre valores como vaidade, ambição, preconceito e orgulho que, ainda hoje, são muito actuais. Todos os seus romances são livros que mexem com o universo feminino, que mostram o impacto que as escolhas e valores das mulheres têm. Jane Austen tinha uma visão diferente para a época, não seguia a carneirada e merece todo o mérito por isso. 

Curiosidade: o livro Sense and Sensibility foi aceite por um editor em 1811, mas foi publicado de forma anónima, assinado apenas como "By a Lady" ("Por uma mulher").

 

Jane_Austen.jpg

 

 

Virginia Woolf (1882 - 1941)

Escritora britânica, considerada ícone do modernismo, inovou ao criar na sua narrativa o fluxo de consciência. É uma técnica literária onde se procura transcrever o processo de pensamento de uma personagem, intercalando o raciocínio lógico com impressões pessoais e mostrando como se desenrola uma associação de ideias, ou seja, é como se entrássemos dentro da cabeça dos personagens, acompanhando os pensamentos à medida que vão surgindo. Foi pioneira neste estilo de narrativa, sem medo de inovar, de arriscar, de ir mais além do que se fazia na época. 

Woolf foi também uma importante voz na luta feminista a partir dos anos 20. Um exemplo disso é o livro "Um Quarto Só Para Si", publicado em 1929, que se baseia em duas conferências dedicadas ao tema "As Mulheres e a Ficção", realizadas em em Cambridge, para um público feminino, numa altura em que as mulheres nem sequer tinham acesso a algumas obras consideradas apenas para homens. 

A obra de Virginia Woolf acaba por ser uma crónica da época em que viveu, onde qualquer comportamento fora do normal era criticado e fortemente julgado, tendo a própria escritora sofrido isso na pele por se ter apaixonado por uma mulher, sem que isso fosse aceite pela sociedade. Suicidou-se com 59 anos. 

 

virginia-woolf.jpg

 

 

Agatha Christie (1890 - 1976) 

Ainda que os seus pais tenham feito de tudo para que ela seguisse carreira de cantora lírica ou pianista, Agatha Christie preferia a escrita. E, se ainda hoje, é dificíl ir contra os pais quando nos querem impôr uma carreira escolhida por eles, imaginem no inicío do século XX. Felizmente, bateu o pé e seguiu o seu sonho, comandado por um enorme talento e ainda maior imaginação. Os seus mais de 90 livros publicados, e traduzidos em todo o mundo, tornaram-na na Rainha do Crime e maior escritora de romances policiais de todos os tempos. É todo um #girlpower como deve ser!

O que é ainda mais incrível é que Agatha Christie foi a verdadeira mulher dos sete "oficíos". Além de escritora, foi também enfermeira, dançarina, fazia surf, gostava de patinagem, tocava alguns instrumentos musicais, era apaixonada por arqueologia e fartou-se de viajar. De Paris à Turquia, do Havai à África do Sul, do Canadá à Nova Zelândia, fosse de comboio, barco, autocarro e, mais tarde, avião. Era uma mulher aventureira, ousada e corajosa, sobressaindo da maioria das mulheres na época, muito à frente do seu tempo, como o próprio neto a caracteriza. 

De todas estas viagens e experiências tirava material que inspirava as suas obras. Por exemplo, durante a Primeira Guerra Mundial trabalhou como enfermeira, onde assistiu a várias mortes por envenenamento e teve acesso aos mais variados tipos de venenos, informação que utilizou na sua primeira obra e que seria recorrente em várias outras. Está no Guinness como a autora (mulher) mais vendida do mundo. 

Curiosidade: O Misterioso Caso de Styles, primeiro livro que escreveu foi rejeitado por seis editoras. Acaba por ser publicado, em 1920, pela editora Bodley Head, vendendo cerca de 2.000 cópias.

 

agatha-christie-600x384.jpg

 

 

Florbela Espanca (1894 - 1930)

Não há quem descreva melhor os males de amor que Florbela Espanca. É a minha poetisa preferida. Sabemos que, tal como Virginia Woolf, se suicidou. Cedo demais, aos 36 anos. Viveu uma vida de grandes sofrimentos, inquietações, insatisfação, solidão e perturbação emocional, mas soube transformar todos esses sentimentos em poesia - triste, dura, melancólica, mas tão bonita e tão verdadeira. É impossível não ler os seus poemas e identificarmo-nos com alguns dos sentimentos que ali estão. Quem nunca sofreu por amor? Quem nunca passou por conflitos internos? Quem nunca dramatizou o fim de uma relação? Florbela somos todas nós. Infelizmente não conseguiu ultrapassar o sofrimento, nem encontrar o seu "final feliz", mas deixou-nos uma obra vasta para que nunca esqueçamos que um coração partido pode matar. A sua poesia é repleta de feminilidade e, se nunca leram os sonetos de Florbela Espanca, não sabem o que estão a perder. 

 

florbela-espanca.jpg

 

 

Elena Ferrante (1943 - data actual)

A Elena Ferrante conseguiu uma coisa que nem toda a gente consegue, muito menos mulheres na indústria literária: pôr toda a gente a falar dela. E não estamos a falar de uma americana cheia de publicidade à volta, mas sim de uma italiana cuja identidade quis manter em segredo. E isto é incrível! Concede poucas entrevistas, todas elas por escrito e intermediadas pelos suas editoras italianas. Mesmo quem nunca leu a série, sabe quem é Elena Ferrante, sabe o que é a A Amiga Genial, já ouviu falar ou tem amigos que já leram. É daqueles fenómenos que são lidos desde o Presidente da República à vizinha do lado. Há quanto tempo não víamos uma coisa assim? Claro que o anonimato contribuiu para tornar isto numa novela, apetecível ao público, mas não lhe tira o mérito. 

Elena Ferrante é apenas um pseudónimo. Infelizmente, há quem não respeite nem compreenda este anonimato e foram vários os jornalistas que não descansaram enquanto não descobriram quem ela é. Por mim, até podia ser a dona de uma charcutaria em Nápoles, não me interessa nada. É a Elena Ferrante que criou a Lila e a Lenú. Isso basta-me. E é por isso que não coloco aqui nenhuma fotografia da pessoa que os jornais dizem ser. Deixemos a obra falar por ela. E, além de tudo, diz ser “feminista” e representante de um poderoso tipo de “escrita no feminino”. Perfeito!

 

1088276.jpg

 

 

J. K. Rowling (1965 - data actual)

J. K. Rowling está nesta lista por quem é e não apenas porque escreveu Harry Potter. Podia ter escrito um best seller e não ter qualquer interesse em estar nesta lista. Está porque, mesmo quando o casamento deu para o torto, quando se viu sozinha a criar uma filha, quando recebeu um "não" de várias editoras, não baixou os braços e lutou pelo que queria e pelo que acreditava. Sabia que tinha uma boa história em mãos, não descansou enquanto não ouviu um "sim", vários anos depois de lhe ter surgido a ideia de escrever sobre um rapazinho que descobria ser feiticeito. Hoje já vendou mais de 450 milhões de cópias da série, traduzida para mais  de 74 línguas. Ganhou diversos prémios literários e, mesmo quando questionada e confrontada com a fortuna que tem e a ideia de que poderia parar de trabalhar por ter dinheiro até ao fim da vida, mostra que isso seria absurdo, porque o que gosta mesmo de fazer é escrever. Mesmo que para isso tenha que ter escondido o seu nome (de mulher) e adoptado as iniciais J. K. para assinar os livros, aconselhada por um editor que dizia que venderia mais caso achassem que era um homem a escrever a série.

Antigamente, não era muito fã dela. Assim que fui descobrindo mais sobre a sua vida e percebendo o que a move e a forma como encara a vida, passei a admirá-la! Apoia um vasto número de causas de solidariedade social e é fundadora da Lumos, uma organização que tem como objetivo a criação de melhores condições de vida para as crianças desfavorecidas. Usa o seu nome, reputação e riqueza para fazer o bem. Sem nunca esquecer que é Mulher, que é Mãe e que ainda tem uma pinta gigante a responder a criticas dos fãs no Twitter. 

jk.jpg

 

Lena Duhnam (1986 - data atual)

Actriz, argumentista, realizadora e feminista declarada. Conheci-a na série Girls, escrita, protagonizada e realizada por ela mesma, quando tinha apenas vinte e poucos anos. Pode parecer banal, mas não é. É preciso muito talento e força de vontade para o fazer. Lena escreveu a série e fez tudo para conseguir vender a ideia a um estúdio. Quando foi aceite, escolheu o resto da equipa, deu vida à personagem Hanna e ainda realizou grande parte da série. Uma demonstração de preserverança e trabalho fora do comum para a idade. Acabou por ganhar dois Golden Globes pela série e tornou-se na primeira mulher a ser premiada no Directors Guild Award pela realizalização de uma série de comédia.

Além de tudo isto, não tem pudores. Mostra o corpo na série, despida de preconceitos, o que provocu muitas críticas mas também fortes elogios: finalmente uma mulher real na televisão, fora dos padrões de beleza impostos pela sociedade. Mesmo na vida real, Lena aceita as curvas e as gordurinhas sem vergonha. Exibe o corpo com orgulho, sem medo do julgamento alheio. E isso é incrível, alem de ser uma grande inspiração para nós, como mulheres. 

Em 2013 lançou o livro "Not that kind of girl" (Não sou esse tipo de miúda), onde fala abertamente de várias situações constrangedoras e vergonhosas que passou na sua infância, adolescência e início da vida adulta. Todos nós já passámos por momentos semelhantes, conseguimos relacionar-nos com ela e sentir que não somos os únicos a pensar de certa forma em determinados assuntos. E esse sentimento de relação e proximidade faz-me admirá-la ainda mais. Lena faz-nos sentir que não tem mal ser diferente. E isso é tão bom. Está a preparar uma série sobre feminismo nos anos 60 e não se cansa de lutar pela igaldade de géneros, que defende e divulga nas redes sociais. 

1280-sfxe6areyzacn65gkrkenyg78k7zra22e173yxpj.jpg

 

E vocês? Digam-me quais são aquelas escritoras que admiram profundamente pela vida, pelos feitos realizados e pelo carácter que demonstraram? 

11 comentários

Comentar post