Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAY HELLO TO MY BOOKS

SAY HELLO TO MY BOOKS

Sensibilidade e Bom Senso, Jane Austen

_MG_4472(2).JPG

 

Este foi o primeiro livro que Jane Austen publicou e o segundo que li dela (o primeiro foi "Orgulho e Preconceito" há uns anos). Este ano decidi começar a ler os romances dela por ordem cronológica de publicação. O primeiro, publicado em 1811, é "Sensibilidade e Bom Senso", cujas protagonistas são Elinor e Marianne Dashwood, duas irmãs da classe média inglesa.

 

Com personalidades distintas e uma visão do mundo e do amor completamente oposta, Elinor, a mais sensata, é a mais sensata, mais racional, boa ouvinte e conselheira, que pensa nos problemas com pés e cabeça. Já Marianne é apaixonada, dramática, impaciente e sofre intensamente com os males de amor. Cada uma com as suas qualidade e defeitos mostra-nos que Jane Austen, no início do séc. XIX, sabia ler bem a alma feminina e os segredos do coração, ainda que nunca se tenha casado, algo pouco comum para a época. 

 

A história começa quando o pai morre e a propriedade onde vivem é herdada por John, irmão mais velho e filho do primeiro casamento. Por isso, Elinor e Marianne, juntamente com a mãe e Margaret, irmã mais nova, têm que sair do casarão onde sempre viveram. Acabam por instalar-se noutra cidade, numa casa mais modesta, gentilmente cedida por Sir John Middleton, um primo afastado da mãe, que acaba por integrá-las no seu grupo de amigos, convidando-as para festas, convívios sociais e até viagens a Londres. É através destes momentos que elas conhecem John Willoughby, um jovem atraente que não é o que parece, Coronel Brandon, que esconde um mistério que faz o leitor ficar curioso, Mrs. Jennings, uma viúva rica, responsável por alguns momentos cómicos e constrangedores, entre outros personagens que vão acompanhar a vida das irmãs Dashwood.

 

É no meio desta azáfama que Elinor e Marianne se vão apaixonar, cada uma pelo seu cavalheiro, e mais não conto, porque não quero dar spoilers a ninguém. Só digo que, ao melhor estilo Jane Austen, nenhuma das paixões é linear, há sempre problemas, trocas, mal entendidos, enganos, enfim...tudo o que um bom romance deve ter.  

 

Mas obviamente que não podemos ler Jane Austen com um olhar contemporâneo. Temos que ter noção da época em que o livro foi escrito e, consequentemente, da sua narrativa mais lenta. Gostei do início e gostei muito dos capitulos finais, mas confesso que andei ali a mastigar um bocadinho o meio da história, parecia que não avançava, que nunca mais chegávamos a lado nenhum. Mas fui seguindo esse ritmo lento e acabou por correr tudo bem. 

 

IMG_9275(1).JPG

 Edição maravilhosa da Barnes & Noble, que traz os sete romances publicados por Jane Austen.

(comprei na Amazon) 

 

"Sensibilidade e Bom Senso" acaba por ser um retrato psicológico e social da pequena burguesia inglesa do início do século XIX. E o que achei mais interessante na obra é que toda ela está escrita seguindo uma ideia de oposição, a começar pelo título: sensibilidade vs bom senso. Temos também a personalidade oposta das irmãs (Elinor mais sensata e racional, Marianne mais emotiva e passional), e ainda o estilo dos seus pretendentes (Edward mais introvertido e tímido e Willoughby mais extrovertido e bon vivant), enquanto temos a divisão de ideais entre as irmãs Dashwood e as irmãs Steele com o casamento por conveniência em contraste com o casamento por amor. Esta dicotomia entre sensibilidade e bom senso é muito comum, ainda hoje, quando falamos de natureza humana, mas também era muito comum no contexto em que a obra foi publicada, numa época em que o Romantismo se caracterizava pela expressão dos sentimentos ao contrário dos valores do Iluminismo que defendia a razão. 

 

Ao longo da leitura percebemos que a própria Jane Austen tende a defender mais o lado do bom senso, mas no fim o que interessa é haver um equilibrio e acho que essa é a maior lição que este livro nos passa. Principalmente com o desfecho de Marianne. 

 

Jane Austen aproveita para tecer algumas críticas à sociedade do seu tempo utilizando humor, ironia e expondo alguns dos seus personagens ao rídiculo. Mesmo a busca de um final feliz pelas duas irmãs, é uma crítica ao tipo de vida e realidade que a mulheres enfrentavam naquele tempo, em que não tinham muitas oportunidades de sucesso na vida a não ser um casamento bem sucedido e uma boa posição a nível social. 

 

 

Também vi o filme, de 1995, com Emma Thompson e Kate Winslet nos papéis de Elinor e Marianne. Também entra o Hugh Grant, Alan Rickman, James Fleet e outras caras conhecidas. Gostei, está fiel ao livro e tem aquele sotaque britânico maravilhoso. Vale a pena ver, se gostaram do livro, mas lá está, tem um ritmo lento e acho que nem toda a gente gosta deste género de filmes, mais parados. (Classificação: 7/10)

 

sense-and-sensibility.jpg

 

Título: Sense and Sensibility 

Autor: Jane Austen 

Edição: Barnes & Noble, 2007 edition

Ano de publicação: 1811

Nº páginas: 194

 

O que quero ler em Fevereiro

Janeiro foi um mês de poucas leituras, por várias razões que, como diz a outra, agora não interessam nada. Terminei o "1984" (que não consegui terminar em Dezembro)  e estou a acabar de ler "A sangue frio", de Capote. Venho falar dessas duas leituras mais para a frente. 

 

Fevereiro traz uma das efemérides anuais mais fofinhas, o Dia dos Namorados. Eu acho que é um óptimo tema para compôr as leituras do mês. E por isso, escolhi três obras de alguma forma ligadas ao "Amor".

 

Image-1.jpg

 

Sense and sensibility, Jane Austen 

Quero ler todas as novels que ela escreveu. Esta vai ser a segunda, depois de ter lido "Orgulho e Preconceito" há muitos anos. Tenho esta edição LINDA que mandei vir da Amazon (depois mostro com mais pormenores) e, por isso, será uma leitura em inglês.

 

Contos escolhidos, Guy de Maupassant

Vou ler a Parte I do livro, que está dividido em três. Esta primeira parte agrega "Contos mundados, amorosos, eróticos e galantes". Muito curiosa. 

 

O Diário da Nossa Paixão, Nicholas Sparks

Acreditem ou não, nunca li Sparks. Mas este é um dos meus filmes românticos preferidos, portanto acho que é mais que justo ler o livro. 

 

No fim do mês conto-vos como foram estas leituras. O que vão ler em Fevereiro?