Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAY HELLO TO MY BOOKS

SAY HELLO TO MY BOOKS

Compras na Feira do Livro 2017 II

A Feira do Livro de Lisboa acabou. O balanço de compras é muito positivo - para a minha estante, porque para a minha carteira pende para o outro lado. Já vos mostrei as primeiras compras feitas na Feira deste ano, em várias editoras, hoje mostro as restantes, todas do Grupo Bertrand/Porto Editora.

 

Três livros do dia com 50% de desconto (O tempo entre costuras, Apenas Miúdos e Dentro do Segredo), um livrinho muito barato encontrado nos cestos de promoções (Cartas de Amor de Grandes Mulheres), outro que saiu muito barato também por entrar na promoção de 5€ de desconto em compras de 30€ (Provavelmente Alegria) e dois livros GRÁTIS (Joyland e A Contadora de Histórias), por ter pago com MB Way, que em compras de 25€ nos dava a possibilidade de trazer um livro de etiqueta laranja à escolha (a minha mãe comprou um de 25€, eu aproveitei-me da situação). Acho que não podia pedir melhor. 

 

FullSizeRender (18).jpg

 

O tempo entre costuras (María Dueñas) - Já ouvi falar bem e mal deste livro. A sinopse interessou-me, ainda para mais quando mete Lisboa ao barulho. É um calhamacinho, mas a ver se damos cabo dele este verão. 

 

Apenas Miúdos (Patti Smith) - É daqueles livros que quero ler praticamente desde que foi publicado. Apanhei-o a 50% e não resisti a trazê-lo comigo. 

 

Dentro do Segredo (José Luis Peixoto) - Outro que quero ler desde que saiu. É sobre a viagem que o escritor fez à Coreia do Norte, que é daqueles países que me desperta uma curiosidade enorme por ser tão fechado, tão rígido, tão desumano até. Conseguir entrar um bocadinho naquelas barreiras impostas ao resto do mundo, pelos olhos e palavras de um português que lá esteve é maravilhoso. Além de que é um tema que está na ordem do dia depois de ter sido anunciada a morte do estudante norte-americano que foi preso lá, voltou a semana passada em coma para os EUA e faleceu ontem. 

 

Provavelmente Alegria (José Saramago) - Saramago também escrevia poesia. Saramago dava títulos lindos aos livros de poesia. Saramago veio comigo por 3,60€. E não vejo a hora de lhe pegar. 

 

Cartas de Amor de Grandes Mulheres (Ursula Doyle) - Adoro cartas. Tenho muita pena de viver num mundo conduzido por emails e mensagens de texto. Confesso a minha veia indiscreta, talvez um pouco bisbilhoteira até, que quando viu este livro a 3,50€ teve que o trazer. De Catarina de Aragão a Ana Bolena, passando pela Rainha Vitória, Florbela Espanca, Ofélia Queiroz e mais umas quantas. Adoro. 

 

A Contadora de Histórias (Jodi Picoult) - Nunca li nada da autora, mas falam tão bem dela e tão bem deste livro que quando percebi que o conseguia trazer a custo zero, nem pensei duas vezes. 

 

Joyland (Stephen King) - O título, a capa, a vontade mórbida de ler coisas de terror a ver se tem alguma influência em mim (os filmes têm...muita!). Outro livro que, podendo trazer gratuitamente, não podia lá ficar. 

 

FullSizeRender (25).jpg

 

Agora é ir dando cabo desta pilha aos poucos. Com sorte, vai tudo até à Feira do próximo ano, entre os outros que continuam em fila de espera na estante cá em casa. 

Ao todo foram 14 livros. 12 comprados e 2 grátis.

8 Editoras: Relógio D'Água, Tinta-da-China, Bertrand, Porto Editora, Quetzal, Dom Quixote, Editorial Presença e Asa. 

Caso tivesse comprado todos em livraria, a preço de catálogo, tinha gasto 212,40€. Gastei 90,95€. O que dá uma média de 6,5€ por livro. E tendo em conta que não pretendo comprar livros nos próximos meses, quiçá mesmo até final do ano, acho que foi um dinheiro bem gasto. Ora, se dividirmos os 90€ por 6 (meses), dá 15€. Seria o mesmo que comprar um livro por mês até Dezembro (e na verdade, por este dinheiro, trouxe mais que o dobro). 

 

A minha relação com a Feira do Livro e porque é que este ano vai ser diferente

 

IMG_0400(1).JPG

 

A Feira do Livro de Lisboa é dos meus eventos preferidos do ano (a par com os Santos Populares e o meu aniversário, que calham todos em Junho, vejam a sorte). Gosto da FLL não só para comprar, mas para passear, para estar, para respirar e relaxar. A Feira relaxa-me. Mesmo nos dias das enchentes de pessoas, do calor extremo, do cansaço, dos pés a doer... . Adoro ir andando, devagarinho, ver as bancas com calma, pegar num livro, ler a sinopse, folheá-lo, pousá-lo e pegar no do lado. E assim ir subindo e descendo o Parque Eduardo VII. Com tempo. Não me apressem. 

 

Isto faz com que se tenha que escolher muito bem as pessoas que nos acompanham à Feira. São pessoas que também gostam de ler? Então vão estar no mesmo ritmo que nós. Se forem amigos que levamos só para não irmos sozinhos...esqueçam. Eles vão querer ver tudo a correr, despachar rápido as bancas dos livros para se irem sentar na esplanada a beber uma imperial. Por isso, às vezes mais vale ir sozinho. Vou muitas vezes sozinha. No meu próprio ritmo, sem ninguém a acelerar, a chamar, a tirar-me daquela hipnose boa que a Feira nos dá. 

 

Antes da Feira consulto sempre o site para ver os livros do dia, em cada dia. Faço uma lista dos livros que quero mesmo comprar (ajuda a não cair em tentações impulsivas). E é com essa lista que vou coordenando as minhas idas à Feira. Costumo ir sempre vários dias. No primeiro, vou com amigos, faço um reconhecimento do espaço, vejo onde está cada editora, ponho-me a par das novidades, sinto o ambiente. Depois vou mais um ou dois dias especificos para fazer compras, especialmente na Hora H, que é o que realmente compensa em termos de poupança. Compro sempre os livros que quero na Hora H (das 22h às 23h, durante a semana). O ano passado comprei 5, todos com 50% de desconto. Compensou. E já os li todos (exepto um, vá). Compro apenas livros que quero mesmo ler durante os próximos meses. No ano anterior comprei 12 e, pensando bem, é um exagero. 

 

Desde pequena que me lembro de ir à Feira do Livro com os meus pais. Nos últimos anos tenho ido ainda com mais vontade, mais paixão, mais carinho por aquele espaço. E este ano vai ser diferente. Pela primeira vez vou estar lá a trabalhar, como colaboradora numa das editoras. Tenho bastante flexibilidade a nível de trabalho porque sou freelancer e pensei "porque não?". Não sei se para o ano poderei fazer o mesmo, ou nos anos seguintes. É já este! Eu adoro a Feira e, assim, junta-se o útil ao agradável. Passo vários dias lá a trabalhar como colaboradora no meio dos livros, ao ar livre e ainda ganho uns trocos. Perfeito. E assim será. Vai ser uma experiência incrível, de certeza. 

 

A Feira do Livro começa já na quinta-feira. Vai estar sol. O Parque vai encher-se de pessoas que gostam de ler. Estamos rodeados de pessoas dos livros por todo o lado e isso é tão bom. A procura pelos livros físicos não está a morrer. Está mais viva que nunca. E nós vamos lá beber um bocadinho dessa vida. 

 

Ah! E dia 4 de junho (domingo) há encontro do Clube dos Clássicos Vivos lá. Cereja no topo do bolo. E vocês, vão? Contem-me. Pode ser que nos encontremos por lá. 

 

Novidades da Relógio D' Água

Não é segredo para ninguém que a Relógio D'Água é uma das minhas editoras portuguesas preferidas. Tem uma identidade visual marcante - sei identificar, de longe, um livro pelo tipo de capa - as traduções são excelentes e tem um catálogo de clássicos de babar. 

 

Recebi ontem a newsletter com as Novidades para o primeiro semestre de 2017, ordenadas por mês entre Janeiro e Maio. Dos 45 títulos há alguns que me saltaram à vista: 

 

O Homem Duplo, de Philip K. Dick (JANEIRO)

Sonho de Uma Noite de Verão, de William Shakespeare (FEVEREIRO)

O Regresso de Mary Poppins, de P. L. Travers (FEVEREIRO)

O Rapaz Que Seguiu Ripley, de Patricia Highsmith (MARÇO)

Os Miseráveis, de Victor Hugo (MARÇO)

Os Diários, de Virginia Woolf (ABRIL)

Na Penúria em Paris e em Londres, de George Orwell (MAIO)

A Casa Abandonada, de Charles Dickens (MAIO)

 

De todos estes, sem dúvida que "Os Miseráveis" conseguiu criar-me aqui uma ânsia pecadora, já a fazer contas à vida e à carteira. Mas continuo firme e forte na ideia de não comprar mais que 12 livros este ano. Um já está. Só posso cair em tentação mais onze vezes.