Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAY HELLO TO MY BOOKS

SAY HELLO TO MY BOOKS

Pensamentos sobre o 1º episódio de Game of Thrones (season 7)

Spoiler Alert,

se ainda não viram o episódio fechem esta página e voltem mais tarde! 

 

- Que saudades de Westeros! 

- Granda Aria, mega boss, girl power máximo!!! 

- Sim, já sabíamos que era ela "dentro" do Walder Frey, mas ainda assim foi uma cena brutal!

- "The North remembers" - ARREPIOS (beijinho grande, queridos Ned e Robb) 

- A Sansa continua irritante. Ainda vai fazer merda. 

- Jon Snow firme no discurso, valores e decisões. Like!

- Esta pita "tem-nos" no sítio (Lyanna Mormont)

- Sam: que trabalho de merda. Coitado. Nojo. 

- Claro que ninguém vai reparar que roubaste as chaves. 

- Claro que os livros que vais levar ao calhas vão ser os que têm a informação que precisas. 

- Claro que mal abres o primeiro livro descobre logo um facto mega importante (e claro que essa informação não vai chegar ao Jon Snow). 

- A troca de olhares do Tormund com a Brienne... POR FAVOR CASEM E TENHAM BEBÉS!

- Ah ya, o Bran ainda existe... 

- A sério que puseram aqui o Ed Sheeran? Retiraram completamente a "magia" da série ser um mundo à parte. A cena não teve qualquer tipo de sentido nem peso para a continuação da história. Achei a pior parte do episódio, completamente desnecessário e um pouco patético até. 

- Então a Cersei que vivia para os filhos, eram o amor da vida dela, as únicas pessoas que amava no mundo...agora que morreram é "pronto, estão todos mortos, whatever, siga pra bingo" ?!?!?!?!

- Jaime Lannister podia vir jantar cá a casa!

- Dizem que Euron Greyjoy vai ser o grande vilão desta temporada. Até agora só o acho arrogante e com sentido de humor apurado. 

- Cadê Theon e a irmã? 

- Ahhh é aqui que está Sor Jorah Mormont. Nada bom aspecto aquele bracinho. 

- Toda a cena do Clegane a olhar para o fogo... Ok, tá bem, tem algum significado, mas não achei nada de especial. A cena dele a enterrar os corpos também era dispensável e aquele discurso mega cliché... (revirada de olhos). 

- A Daenerys e companhia a chegar a Dragonstone num mood muito épico ao estilo "descobertas do séc XV". Há todo um momento de "respira fundo que finalmente chegaste ao primeiro passo da nova vida.

- Uiii que canseira aquela escadaria toda. 

- O trono, não de ferro como o outro, mas de vidro de dragão. Like!

- O Tyrion muito apagadinho neste episódio... 

 

E pronto. O Inverno finalmente chegou e eu, pessoa de Verão, tremo só de ver aquelas paisagens geladas. Este episódio foi importante para fazer um ponto de situação de todas as personagens. Mas são só sete episódios porquê? Mais de um ano à espera para depois só a termos durante um mês e meio... Tenho pena que personagens como a Margaery, por exemplo, tenham ido desta para melhor. Vamos aguentar o coração, rezar para que nenhum Stark morra esta temporada e tentar perceber porque é que o cartaz da série traz o Jon com olhos de white walker... NÃO ME ENERVEM!

FullSizeRender (33).jpg

 

Podem ainda ver aqui 8 curiosidades sobre este episódio, importantes para a história, que vos podem ter passado despercebidas. 

Vi o primeiro episódio de The Crown...

E achei meh. Normalzinho. Não me prendeu. Tenho a política de ver sempre os primeiros dois ou três episódios de uma série antes de decidir se quero continuar a vê-la ou não. A verdade é que há séries que não prendem logo no episódio piloto e depois ficam brutais. Lembro-me da primeira temporada de True Detective que, em dez episódios, só gostei dos últimos seis. Estava a achar a maior seca do mundo, disseram-me para ver até ao quarto episódio, que melhorava a partir dali e "vais ver que vais amar". Efectivamente melhorou a partir dali e depois não descansei enquanto não vi tudo até saber o final. No The Crown irritou-me um bocadinho esta romantização da Elizabeth quando sabemos que na vida real ela não é bem assim. Não sou fã dela, nem da família real britânica no geral. O John Lithgow está muito bem como Winston Churchill. Foi o que mais gostei neste episódio. Vou ver mais um ou dois.